Maconha: Tudo que você precisa saber [Infográfico]

O nome “maconha” se refere a planta chamada Cannabis Sativa. ​Devido a proibição em diversos países, é considerada a droga ilícita mais usada no mundo. A maconha ficou mais conhecida pelo seu uso recreativo (efeitos psicoativos), mas seus derivados também são utilizados há milênios em rituais culturais e tratamentos médicos. (Senad)

Infográfico: Tudo sobre maconha

O que difere o uso medicinal do recreativo?

Os efeitos da planta dependem da manipulação de seus componentes químicos. A planta possui cerca de 80 fitocanabinoides (substâncias que interagem com o cérebro) os mais estudados são o THC (tetrahidrocanabidiol), responsável pelos efeitos psicoativos e o CBD (canabidiol), que ameniza os efeitos psicoativos estimulados pelo THC.

Desta forma, o uso medicinal da planta cria padrões de produção que equilibram as porcentagens de THC e CBD, sendo possível o tratamento médico tranquilizante e anestésico sem os efeitos psicoativos usados no uso recreativo. (Scientific American)

Maconha Medicinal

Diversas pesquisas envolvem o THC e o CBD no tratamento de doenças. As principais são:

CBD

A substância é encontrada em grande quantidade no caule da planta, conhecido como “cânhamo” (em inglês hemp). O chamado “óleo de cânhamo” (em inglês, hemp oil), é o o produto derivado da maconha mais estudado para fins medicinais.

Nos Estados Unidos, o óleo foi categorizado como um suplemento alimentar pelo Food and Drug Administration (a “Anvisa dos EUA”) e comercializado no país. A composição leva, em maioria, cerca de 20% de CBD, contra menos de 1% de THC, e pode ser ingerido em gotas. (Scientific American)

Anticonvulsivante

Estudo comandado pelo Programa Global de Epilepsia, pela organização Denver Health, no Colorado, registrou que o CBD auxiliou na diminuição de crises de convulsão em uma criança com epilepsia. As crises diminuíram de 50 para duas a três por mês. (Terra)

Fobia social

Pesquisadores da USP identificaram, por meio de monitoramento cerebral de alguns voluntários, que após a ingestão de CBD em cápsula houve menor nível de ansiedade em pacientes que falavam diante de uma câmera (Revista Brasileira de Psiquiatria)

THC

Polêmico por ser responsável pelos efeitos psicoativos, o THC é o principal ativo da maconha.

Alzheimer

Estudo da Universidade do Sul da Flórida e da Thomas Jefferson University, identificou que o THC diminui o grau de agressão do Alzheimer. (NCBI)

Quimioterapia

Conforme estudos do Center for Medicinal Cannabis Research (CMCR) da Universidade da Califórnia, o THC alivia reações adversas sofridas por pacientes de câncer em tratamento de quimioterapia, como náuseas e vômito. (Scientific American)

Dores

Conforme os estudos da CMCR, pacientes de Aids que inalaram a erva tiveram bons resultados sobre as dores causadas pela sensibilidade na pele. Em alguns países, pacientes de esclerose múltipla podem ser receitados com Sativex, um tp de spray de via oral produzido pelo laboratório britânico GWPharma, que combina THC e CBD para amenizar dores.

Apetite

A substância THC também estimula o apetite. Estudos avaliaram a eficácia da erva em tratamentos de anorexia em pacientes com síndrome da imunodeficiência adquirida. (Quím. Nova)

Extrato da planta integral

Câncer

Em 2015, o Instituto Nacional para o Abuso de Drogas dos Estados Unidos (em inglês, Nida) publicou relatório reconhecendo o potencial do extrato de maconha na diminuição das células cancerígenas, conforme estudo envolvendo o glioma, um tipo de tumor no cérebro. (Nida)

É possível fumar maconha comum para fim medicinal?

Sim. Em Israel, pacientes são autorizados a fumar maconha dentro do hospital. O sistema de saúde distribui o cigarro de maconha que é cultivado sob a fiscalização do governo. Ele é utilizado para amenizar dores crônicas e reações adversas de quimioterapia. São receitadas até 60 cigarros por mês.

O tratamento não serve para todos:​ são contra indicados para jovens como menos de 20 anos, que podem desenvolver esquizofrenia. Efeitos colaterais:​ alguns sentem tontura e confusão mental. (G1)

Uso recreativo

Os efeitos da droga dependem da quantidade utilizada, ambiente de uso, estado emocional do usuário e expectativas do usuário. (Senad)

Efeitos mais comuns:​ Sensação de relaxamento, desinibição, gargalhadas, ansiedade, medo e confusão mental. (Senad)

Em doses pequenas:

  • Realce na percepção de cores, Olfato, paladar e tato mais aguçado;
  • Percepção de tempo e distância alterados;
  • Consciência corporal elevada. (Senad)

Em doses altas

  • Maior possibilidade de reações desagradáveis como confusão mental, paranóia (sensação de estar sendo perseguido), alucinações, pânico e ansiedade. (Senad)

Riscos do uso recreativo

Risco de acidentes ao dirigir

Estudo publicado na revista Psychopharmacology mostrou em estudo a partir do monitoramento de pessoas sob a influência de THC, que 30% falharam nos testes de capacidade para dirigir em segurança. O índice é de 50% entre as pessoas que fumaram pela primeira vez.

Desenvolvimento de esquizofrenia

Estudos realizados na Europa e Nova Zelândia afirmaram evidências de que o uso excessivo de maconha seria “um fator de risco para o desenvolvimento de sintomas esquizofrênicos em indivíduos vulneráveis”. (Revista Brasileira de Psiquiatria)

Prejuízo de memória e habilidade mental

Pesquisa da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, estudou usuários diários entre 16 e 17 anos de idade, e identificou diminuição das estruturas relacionadas com a memória, refletindo em uma diminuição nos neurônios. (Northwestern)

Possibilidades de desenvolver câncer de pulmão

Diversas há consenso sobre o assunto. Conforme publicação da Senad, o uso pode aumentar as possibilidades de desenvolver câncer de pulmão, “uma vez que a maconha tem o mesmo teor de alcatrão que os cigarros de tabaco”. (Senad)

Maconha causa dependência?

Sim. Existem pessoas que experienciam dificuldade de diminuir ou cessar o consumo da maconha e se o fazem têm sintomas de abstinência ​ (Uniad). Cerca de 6 a 10% dos usuários que usam maconha pela primeira vez se tornam dependentes. 90% abandonam em um dia. (Unifesp).

Legislação no Brasil (Lei 11.343/06)

Maconha recreativa

Como a lei considera crime de consumo pessoal?

Conforme a lei, para determinar se a droga é para consumo pessoal, o juiz analisará a natureza, quantidade, local, condições em que se desenvolveu a ação, circunstâncias sociais e pessoais, conduta do usuário e os antecedentes. Para isso, leva-­se em conta quem cultivar, semear, colher, adquirir, guardar, tiver em depósito, transportar ou trouxer consigo.

Quais são as penas para consumo pessoal?

Advertência sobre os efeitos das drogas; prestação de serviços à comunidade e medida educativa de comparecimento a programa ou curso educativo. Para todas as opções, considera-­se o máximo de cinco anos. Ou em caso de reclusão, de 5 a 15 anos.

Qual são as penas para o tráfico?

A lei prevê pena de até 20 anos de reclusão, dependendo do crime.

Perfil dos presos por tráfico no Brasil

Cerca de 50% dos presos por tráfico de maconha não possuem antecedentes criminais, carregavam quantidade inferior a 100g e não portavam arma. (Instituto Sou da Paz)

Maconha Medicinal

Em 2015, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) retirou o CBD da lista de medicamentos proibidos, passando a ser controlado.

Como ter acesso ao CBD?

Para ter acesso, é o paciente precisa de uma prescrição médica que ateste a necessidade e a tentativa, sem sucesso, de outros medicamentos. Após a análise da receita, a Anvisa libera a autorização para importação do produto. (Anvisa)

Opinião dos Brasileiros

Sobre a descriminalização da maconha segundo pesquisa do Ibope em 2014:

  • 79% contra
  • 17% a favor
  • 4% não sabe/não respondeu

Sobre a descriminalização da maconha para uso medicinal.

Segundo pesquisa da Expertise, e do DataSenado em 2014: 57% são a favor da legalização da maconha medicinal.

Impacto em outros países

O Colorado foi o primeiro estado americano a legalizar o uso recreativo da maconha, após consulta popular em 2012. Considerando a experiência do país:

Diminuição dos processos e prisões

Colorado: Após um ano da legalização do uso e posse para maiores de 21 anos ouve redução de 77% dos processos envolvendo a maconha. (DenverPost)

Geração de emprego

Em aproximadamente um ano após a veda em varejo de maconha no Colorado ouve aumento de 10 mil postos de trabalho (Vox)

Geração de renda

Até junho de 2015, foram arrecadados US$ 70 milhões em impostos sobre a comercialização da maconha. Eram previstos US$ 40 milhões. (O Globo)

Diminuição do trafico de fronteira

Segundo relatório oficial da DEA (Agência Antidrogas dos Estados Unidos) mostrou que em 2014 foi registrado 23% a menos de contrabando fronteiriço em relação a 2013 (UOL Notícia)

Onde a maconha já foi descriminalizada?

Pelo menos 47 países nas Américas e Europa já descriminalizaram de alguma forma o uso da maconha (uso pessoal, medicinal ou geral), sendo o Uruguai o primeiro e único a legalizar totalmente a substância. Entre os mais citados estão:

para uso pessoal em determinada quantidade, Portugal, Colômbia, Argentina, Bolívia e Venezuela, Chile, Equador e Paraguai. Uso recreativo liberado na Holanda, alguns estados dos EUA como Colorado, Washington.

Apenas para fins medicinais pode se destacar o Canadá. (Senad)

O que é considerado uso pessoal pelo mundo?

A quantidade considerada para uso pessoal varia de 5g (El Salvador) a 50g (Espanha), dependendo do Estado. (Senad)

Dados do uso da maconha recreativa no Brasil

Conforme o Segundo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas ( Lenad 2012) sobre 4.607 entrevistados:

  • 6,8% da população adulta já experimentou maconha na vida;
  • 3% da população adulta relatou uso de maconha no último ano;
  • Mais de 60% dos usuários de maconha experimentaram a droga pela primeira vez antes dos 18 anos de idade.

Uso da Maconha recreativa no mundo 181,8 milhões (Unodc)

Curiosidades

  • Foi comprovado que o álcool é 144 mais letal que a maconha (Scientific Reports).
  • A maconha é a com menor probabilidade de causar a morte do usuário (Scientific Reports).
  • Relatos de 2700 a.C. já descreviam o cultivo de maconha, como analgésico e ansiolítico na China.
  • Em 2012 uma brasileira foi presa com 1 grama de maconha e condenada por tráfico a uma pena de 6 anos e nove meses de prisão e pagamento de 680 dias­ multa. (G1)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *