Chá de maconha: conheça os tipos e os seus efeitos

O chá de maconha é uma forma de consumo muito antiga da erva e apresenta uma série de benefícios, já que evita o consumo através da inalação e afasta um pouco a pessoa que o está bebendo do esteriótipo do “baseado”.

Fazer o chá, no entanto, não é uma tarefa muito simples. Exige uma série de conhecimentos sobre as características da maconha e quais são os seus principais componentes para evitar que se desperdice o produto em um chá que não irá surtir nenhum efeito no consumidor.

Essa é uma preocupação necessária.

História do chá de maconha

Foto: Pixabay/CCBY

Foto: Pixabay/CCBY

A técnica do chá de maconha é utilizada há milênios, especialmente em torno da Índia e do Paquistão (o que inclui o atual território de Bangladesh). A técnica era e, ainda hoje, é chamada de bhang, e consiste em uma bebida feita de leite, manteiga líquida e temperos misturados com uma pasta de cannabis.

É um método muito parecido com outros chás locais e é muito utilizado para fins medicinais por evitar a necessidade de inalação de fumaça e aproveitar muito bem os efeitos da erva, se realizado da maneira correta.

O problema do chá

Diferentemente de outros chás e infusões que são aproveitados de maneira correta ao se colocar em contato as ervas com a água quente, o chá de maconha apresenta um problema muito específico, que o fato de o THC não ser solúvel em água.

O processo de extração deste componente principal da maconha chama-se descarboxilação e é essencial para que sejam aproveitadas as características psicoativas do produto. Na verdade, o processo de extração do THC é lipossolúvel, e é por isso que as receitas mais eficazes possuem leite integral ou manteiga dentro do chá, para permitir que se aproveite todos os efeitos da erva.

Tipos de chá de maconha

Foto: denalihealthcaremi.com/Reprodução

Foto: denalihealthcaremi.com/Reprodução

Existem basicamente três tipos de chá de maconha, no que diz respeito ao seu método de preparação. O primeiro é a infusão das folhas e das flores secas na água quente. Este método costuma apresentar menos resultado psicoativo, em função do problema da não solubilidade em água do THC.

O segundo método é o tradicional bhang asiático, que leva manteiga, leite e especiarias junto à uma pasta de maconha preparada com um pouco de gordura.

O terceiro método é integrar a maconha à receitas de chá já conhecidas, que incluam leite e sabores específicos, caso o sabor da maconha misturado ao chá não agrade seu paladar.

Com exceção da receita de infusão apenas em água, os chás geralmente levam pouca quantidade da erva em si, já que – ao contrário do que ocorre ao se fumar a maconha, os líquidos não chegam a queimar a erva. Isso faz com que se extraia o máximo possível de THC sem que a erva acabe queimada pelo fogo.

Leia também: Você conhece a história da maconha? Saiba como tudo começou

Chá de maconha é legal?

A questão da legalidade do chá de maconha está diretamente relacionada à questão da maconha de forma geral em cada país. Via de regra, os países não fazem distinção sobre a forma de consumo da maconha em sua lei.

Em um país onde o consumo de maconha é crime, a tendência é que essa seja uma prática criminosa tanto em cigarros quanto em comidas e bebidas. A regra geral dita que o chá de maconha é legal apenas em países onde a própria maconha é liberada para consumo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *